Como irritar uma mãe (não sendo filho dela)

Depois que uma mulher vira mãe conhece os melhores sentimentos do mundo e ao mesmo tempo ouve tanta opinião alheia que pode também aflorar seus piores sentimentos!

Semana passada eu compartilhei o episódio em que fui levar o Rafinha para tomar vacina e a enfermeira perguntou se eu estava grávida. Fiquei #chatiada, mas ainda mais chocada em saber que muita gente passa por este tipo de situação irritante. Nem mesmo uma princesa está livre desse tipo de maldade.

Imagem

Após apresentar o príncipe George toda linda e maquiada, a duquesa Kate também foi alvo de comentários infelizes por causa do inchaço pós-parto, absolutamente humano e normal. 

Por isso, no topo da minha lista de como irritar uma mãe está…

– Comentar sobre seu peso ou corpo

Se não for para elogiar, é melhor guardar o comentário para você.

Minha cunhada Priscila comentou que quando foi ao mercado uma desconhecida disse “você está inchadinha né”. Que lindo, ela não imagina como fez o dia da Pri mais alegre e feliz, ainda mais nessa fase em que a gente fica super sensível!

Pelo Facebook, a Drika (do Jonas) e a Vanessa Muraro também lembraram das irmãzinhas da igreja que cuidam semanalmente da nossa forma física. 

A gente sabe que o corpo não está do jeito que a gente queria, mas ele está voltando aos poucos para o lugar e o processo pode levar até um ano. A Rafaela Santin lembrou que as mulheres são cobradas a voltar a forma anterior por causa “dessas famosas que são neuróticas e fazem bizarrices para emagrecer depois do parto”.

Contudo, uma coisa que irrita mais do que falarem do nosso tamanho é falarem do tamanho do bebê.

– Tamanho do bebê

Minha cunhada Camila teve dois bebês lindos, mas por nascerem um pouco antes do tempo ela teve que ouvir muito “nossa, como é pequenininho”. Uma das coisas mais irritantes que ela ouviu de uma irmãzinha da Igreja foi que o leite dela era ‘fraco’, por isso, o bebê não crescia e chorava. Primeiro que leite fraco não existe e segundo a mãe sabe por que o bebê está chorando, não precisa ficar dando palpite!

Por outro lado, também tem comentários maldosos para bebês que são grandes e tudo sempre é culpa da mãe. 

Não basta ‘cuidar’ da mãe, tem que falar sobre o bebê, aí vem as comparações.

– Comparações

Um dia eu estava na fila do caixa automático e uma pessoa pergunta com quantas semanas eu tive o Rafinha. Respondi 38 e ela disse ‘não vejo mais mulher que aguente até as 40 semanas, eu tive dois com 40 semanas’. AFF!

Tem também as comparações das características do seu bebê. Se tem cabelo enrolado perguntam ‘será que o cabelinho dele vai ficar ruim?’. No meu caso, o Rafa nasceu com pouco cabelo e já me perguntaram ‘será que ele vai ser sempre careca?’. 

De novo a minha cunhada Camila (acho que ela atrai esse povo!!) foi buscar o meu sobrinho Pedro na escolinha. Ele é lindo, esperto, tem 10 meses e está quase andando. Balbucia palavras como tá,tá,tá e já chama a irmãzinha du-da. Mesmo assim, a filha da diretora disse ‘como pode o Pedro ser filho de professora não falar ainda?’. Já pensou como que filhos de cantores não nascem cantando? Haja paciência!

Fico imaginando o que mães guerreiras com bebês especiais passam. É absurdo como existe gente com poder de falar coisas que deixam com a autoestima lá embaixo.

Tenho certeza que você conhece outras histórias dessas. Fique à vontade para compartilhar aqui! 

Anúncios